Como controlar suas finanças: introdução

18mar - by Filipe - 0 - In Educação financeira

Nós somos aquilo que fazemos repetidas vezes, repetidamente. A excelência, portanto não é um feito, mas um hábito. (Aristóteles)

Já foi o tempo que o Balanço era uma preocupação só de empresas. Nós como pessoas físicas devemos usar essa técnica para conhecer nossos gastos e começar uma recuperação financeira ou melhorar nossos rendimentos. Sempre há risco, de modo que aprender administrá-lo é melhor do que evitá-lo.

O Balanço é um instrumento contabilístico que reflete a situação econômico financeira da empresa ou da pessoa, onde os pontos fortes e fracos são evidenciados. Com o Balanço pode-se estabelecer comparações claras relativamente, aos competidores mais diretos e a objetivos pré-definidos; detectar eventuais desvios entre o desempenho estimado e o real, e ainda pode servir de base a projeções sobre o seu desempenho futuro.

O Balanço representa a situação patrimonial da empresa ou da pessoa (ativos, dívida e capital) num determinado momento de tempo.

O Balanço está dividido em três categorias fundamentais: ativo, passivo e capital próprio:

O ativo inclui tudo aquilo que a empresa ou pessoa possui e que é suscetível de ser avaliado em dinheiro – disponibilidades (dinheiro em moeda, depósitos bancários e títulos negociáveis), créditos sobre clientes, stocks de mercadorias, equipamentos, instalações, etc.

O passivo é o conjunto de fundos obtidos externamente pela empresa ou pessoa, seja através de empréstimos, seja através do diferimento de pagamentos (aos fornecedores, ao Estado, etc.).

O capital próprio, que corresponde ao capital pertencente aos sócios. Ou seja, representa o valor do investimento realizado pelos proprietários adicionado dos lucros (ou deduzido de eventuais prejuízos) obtidos ao longo dos exercícios passados e do exercício corrente.

Existe uma relação fundamental que tem que verificar-se obrigatoriamente no Balanço:

Ativo = Passivo + Capital Próprio

Esta expressão constitui o princípio básico da contabilidade, segundo o qual a aquisição do patrimônio da empresa ou pessoa (ativo) tem que ser financiada por capitais dos sócios (capital próprio) ou por capitais alheios, empréstimo, por exemplo (passivo). Um outro aspecto fundamental é a relação entre ativo circulante e passivo de curto prazo (ou exigível num prazo inferior a um ano). Se o primeiro for superior ao segundo, a empresa ou pessoa evidencia capacidade para satisfazer os seus compromissos de curto prazo. Caso contrário, é provável que a empresa ou pessoa se veja forçada a recorrer a empréstimos para saldar as suas dívidas mais imediatas.

O Balanço é um documento de base financeira, documento contabilístico que expressa a situação patrimonial de uma empresa, em determinada data. O conjunto de bens e direitos constitui o ativo e de obrigações que constitui o passivo, ou pode ser considerado simplesmente o inventário do conjunto de ativos e das dívidas da empresa numa determinada data.

A partir do Balanço pode-se retirar três ideias fundamentais:

  1. A comparação entre o Ativo e o Passivo, evidenciando o Capital Próprio;
  2. Um conjunto de contas, com valores de sinal contrário, em equilíbrio;
  3. Um mapa ou documento em que se representa aquela comparação e o equilíbrio de contas.

Podemos evidenciar as seguintes óticas:

  1. Para os juristas o Balanço representa a situação patrimonial da empresa em determinado momento.
  2. Na perspectiva contabilística, o Balanço expressa a situação econômica e financeira derivada dos fluxos econômicos, financeiros induzidos e financeiros autônomos, numa determinada data. Tendo por base as regras ditadas pela lei.
  3. Para os economistas o Balanço representa a estrutura da empresa em determinado momento, é a visão estática e financeira.

O Balanço representa a situação patrimonial da empresa ou de uma pessoa (ativos, dívida e capital) num determinado momento de tempo, é apresentado no final de um período contabilístico (trimestre, semestre, ano). Este documento é uma “fotografia” de um momento específico ou determinado.

Noção de Patrimônio e sua Composição

Para poder exercer a sua atividade ou viver uma empresa ou uma pessoa necessita de ter patrimônio, cuja composição reflete o seu ramo de atividade.

Os elementos patrimoniais são diferentes em vários itens, mas têm características comuns:

São elementos valorizados em unidades monetárias (dinheiro).

Os Valores que constituem o patrimônio são administrados tendo em vista o alcance de determinados objetivos.

O conjunto de elementos pertencentes a uma empresa ou a uma pessoa numa determinada data, é designado por Patrimônio.

O Patrimônio representa um conjunto de valores que a empresa ou a pessoa administra para poder exercer a sua atividade e alcançar objetivos fixados.

Os elementos constituintes do patrimônio são o Ativo e o Passivo. O conjunto dos elementos que representam bens e direitos constituem o Ativo e os elementos que representam obrigações constituem o Passivo.

Um aspecto econômico importante no patrimônio de uma empresa ou pessoa é o seu valor, que se designa por Capital Próprio, é determinado pela diferença entre Ativo e Passivo,.

Resumindo

O balanço mostra-nos os ativos da empresa ou pessoa para desenvolver os seus negócios ou simplesmente viver de acordo com suas necessidades. Estes ativos podem ser ativos correntes, como por exemplo os inventários, as contas a receber dos seus clientes e disponibilidades financeiras que são continuamente reinvestidas na empresa. Ou seja, os inventários e as contas a receber são convertidas em dinheiro e o dinheiro é convertido em inventários e crédito a clientes.

Os ativos também podem ser fixos ou de longo prazo, como são por exemplo os terrenos, os edifícios, a fábrica, o mobiliário e os carros, entre outros. Estes ativos não têm como finalidade serem convertidos em dinheiro , são bens que a empresa ou pessoa utiliza nas suas operações produtivas ou  no dia a dia.

O Balanço também revela as obrigações da empresa ou das pessoas. Tais obrigações poderão ser de longo prazo, como por exemplo, empréstimos bancários para aquisição de máquinas e imóveis. Ou podem ser de curto prazo para financiamento de inventários ou atribuição de crédito a clientes ou uma viagem para o exterior.

Se deduzirmos aos ativos totais os passivos totais, obtemos o capital próprio, este é tipicamente construído a partir do capital com que os sócios começam a empresa acrescido dos capitais que a empresa foi conquistando, isto é, os seus lucros. Se a empresa incorrer em prejuízos, esses prejuízos poderão eventualmente absorver o capital inicialmente investido pelos sócios da empresa e poderão tornar o capital próprio negativo (situação que designada como falência técnica).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *