Para buscar é necessário viajar

21mar - by Filipe - 0 - In Nomadismo digital

Um homem precisa viajar. Por sua conta, não por meio de histórias, imagens, livros ou TV. Precisa viajar por si, com seus olhos e pés, para entender o que é seu. Para um dia plantar as suas próprias árvores e dar-lhes valor. Conhecer o frio para desfrutar o calor. E o oposto. Sentir a distância e o desabrigo para estar bem sob o próprio teto. Um homem precisa viajar para lugares que não conhece para quebrar essa arrogância que nos faz ver o mundo como o imaginamos, e não simplesmente como é ou pode ser. Que nos faz professores e doutores do que não vimos, quando deveríamos ser alunos, e simplesmente ir ver. (Amyr Klink)

Esta semana estarei embarcando para o Chile, vou passar 10 dias lá. Tem sido uma semana difícil, com várias coisas acontecendo no trabalho e na vida pessoal. É difícil imaginar que quando eu voltar tudo vai estar na mesma. É difícil aceitar que eu deveria apenas curtir os dias que eu tenho e voltar para a “vida real”. Sempre me pergunto: por que não continuar?

Depois de um tempo eu sinto saudades

Sim, depois de alguns dias quem não sente saudade de casa, da comida, do travesseiro e da cama confortável já com o nosso formato impresso no colchão? Eu sinto. Quando eu volto é bom, mas e se eu empurrasse o meu limite de saudades um pouco mais para frente? E se eu continuasse a viagem? E se eu largasse meu trabalho, e se, simplesmente, eu não voltasse?

Muitos podem pensar que é uma fulga, mas prefiro pensar o contrário. Acho que essa “fulga” seria fundamental para me conhecer. Acho que não tem forma melhor de se conhecer do que quando estamos fora da zona de conforto. Os perrengues da vida nos mostra como somos, nossas fraquezas e nossas virtudes.

Pessoas morrem sem se conhecer

Em terapia descobri a importância de se conhecer, além disso, a confusão que é se aceitar. Para mim pelo menos esses conceitos nunca foram simples. Sempre tentei seguir os bons conselhos dos meus pais, aprender com o erro dos outros e com os meus próprios. Mas a verdade é que sempre aprendi mais quando era eu que estava dando mancada.

Viajar sempre me traz novidades e situações inusitadas, o que contribui muito para eu explorar lugares na minha mente onde nunca estive. Lugares inéditos provocam medo, saímos da zona de conforto, temos que nos comunicar com pessoas que falam outras línguas, temos que nos jogar. Precisamos comer, reservar um quarto e nos perder na cidade. Acredito que só assim temos o mínimo de noção do que é realmente estar em lugar diferente.

Vou documentar minha viagem para o Chile e postar tudo aqui. Espero que gostem!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *